Religião e Yoga são coisas diferentes, mas nem todos tem esta clareza.
Neste texto vamos esclarecer este tema.
Resolvi escrever a respeito, pois fui procurado por alunos que estavam sendo vítimas da confusão de professores de Yoga.
Recebiam uma doutrinação de que mantras não possuem conteúdo religioso.
Ou ainda, quando uma pessoa pertencente a uma religião resolve explicar o Yoga Sutra através do seu olhar religioso.

Religião e Yoga são coisas diferentes na Índia

A Índia possui seis escolas filosóficas tradicionais:

  1. Samkhya, uma exposição teórica fortemente dualista de mente e matéria, que vê de outra forma a existência de Deus.
  2. Yoga, uma escola que enfatiza experiência direta da meditação, baseada nos termos do samkhya
  3. Nyaya, escola com forte fundamentação lógica
  4. Vaisheshika, uma escola empírica de atomismo
  5. Mimamsa, uma escola antiascética e antimística de ortopraxia
  6. Vedanta, a conclusão lógica do ritualismo védico, focada no misticismo. O vedanta acabou por se tornar a corrente dominante do hinduísmo no período pós-medieval.

Religião e Yoga são coisas diferentes, mas tem intersecção

As diferentes religiões possuem a meditação dentro de suas práticas, e através desta prática explicam sua visão do mundo e suas doutrinas. Como a meditação é uma das ferramentas principais do Yoga, para alcançar o objetivo de acalmar e controlar a mente, esta intersecção em relação ao tópico existe, porém a abordagem, justificativa e método podem se diferenciar tremendamente.

Religião e Yoga são a mesma coisa na Índia

A forte presença da religiosidade na cultura indiana, faz com que sua presença seja notada em todos os lugares. De forma similar, no Brasil, a maioria tem seu time de futebol do coração, mas não significa que o sambista deve ser flamenguista. Mesmo que muitos especialistas, artistas, e músicos sejam flamenguistas, não é necessário ser flamenguista para trabalhar com samba.
O mesmo ocorre no Yoga, a escolha e experiência religiosa do professor, nunca deve ser imposta ao aluno.

Religião e Yoga são coisas diferentes de acordo com Krishnamacharya

Religião e Yoga são coisas diferentes
Entrevista com Desikachar, filho de Krishnamacharya: Tenho fé no meu pai

Em abril de 2005, tive a felicidade de ter uma conversa detalhada com Desikachar, filho de Krishnamacharya, a maior referência da história do Hatha Yoga.
Conversamos vários detalhes sobre a prática do Yoga e também religião.
Falou-me da fé em seu pai, mas deixou claro que Yoga não é religião.
Contou-me que seu pai, ao ensinar aluno muçulmano, nunca o cumprimentava com Namastê, termo indiano.
Fazia questão de cumprimentar o aluno com Salamaleico, é uma expressão árabe utilizada pelos muçulmanos como uma saudação, e significa: “que a paz esteja sobre vós”.
Foi um momento valioso, pois aprendia um aspecto fundamental do Yoga, de forma direta, do filho de Krishnamacharya, que mostrava como seu pai se comportava, e como era o entendimento de um yogi erudito, se não o mais erudito do século XX.

Ter a sua fé, não dá o direito de impô-la

O professor de Yoga tem o direito de ter a sua fé, sua crença, suas imagens, seus santos, ou adorações hindus de deidades, ou mesmo sábios de Shankara ao Dalai Lama. O que é incorreto é o professor impor ao seu aluno um Yoga vestido desta forma, pois isto mostra, ou má fé por parte do professor, ou profundo desconhecimento de Yoga.

Gandhi Yoga não é religião

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *