Hoje, Terça-feira, 02 de Julho de 2013, termino de acompanhar minha amada esposa em seu desafio de 30 dias de crudivorismo.
A experiência dela, que é diferente da minha em alguns pontos, foi relatada em forma de diário neste site: http://dailylili.blogspot.com.br/. Você vai ter acesso lá a algumas receitas crudívoras bem interessantes, e vários detalhes de sua vivência.

Bem, em primeiro lugar, o que é crudivorismo? A princípio uma dieta que não se utiliza de alimentos cozidos. Porém esta é uma definição ampla, pois existem crudívoros que fazem leve cozimento a vapor (aquecem no máx. até 47oC) de alguns alimentos, outros que enfatizam os brotos germinados e existem crudívoros carnívoros, que comem sashimi (peixe cru).
Assim, para definir melhor, eu e Lili, procuramos adotar uma dieta crudívora vegetariana. Quase 100% vegana, pois o mel acabou aparecendo pouquíssimas vezes em algumas guloseimas, e veganos não consomem mel, pois evitam ao máximo qualquer produto advindo da exploração de animais.

Minha dieta no início era muito similar à de minha esposa, que procurava seguir o esquema da dieta 80/10/10, de Doug Graham, como lhe havia sido instruído e assessorado pelo Eduardo Corassa, que estudou com o próprio Graham, e é autor de ótimos livros sobre o tema. Esta dieta foi adotada pela tenista Martina Navratilova, responde pela boa forma da atriz Demi Moore, e pela incrível sobre-vida de Steve Jobs, depois de diagnosticado com câncer.
Existe super atletas que têm conseguido resultados impressivos com esta dieta, isto é citado nesta reportagem da revista Go Outside (http://www.outsideonline.com/fitness/The-Best-Fruits-For-Fueling-Your-Body.html)

Doug Graham

80% de carboidrato, 10% de proteína e 10% de gordura, tudo cru, sem cozinhar nada.
Para atingir isto precisamos de uma grande quantidade de frutas, e um (ou mais) ótimo prato de salada durante o dia. Sementes e Castanhas com cuidado.
Para Lili, que tinha na perda de peso um efeito colateral bem vindo, atingir aprox. 1.200 calorias com esta dieta lhe possibilitava ingerir uma quantidade razoável de alimento.
Em meu caso, a perda de peso não era bem vinda, pois já venho praticando a restrição calórica há algum tempo, chegar aprox. a 2.500 calorias por dia era mais desafiante. Esta minha necessidade calórica superior se deve ao fato de ser homem, em primeiro lugar, mas por ter uma atividade atlética intensa. Se acha que yoga não é uma prática intensa, dê uma olhada nos ásanas da 3a. série do Ashtanga Yoga.

Posturas 3a. Série do Ashtanga Yoga

Assim, minha alternativa foi colocar as saladas nos sucos, pois se comesse os pratos de salada, não tinha mais fome para as frutas que deveria ingerir. Mesmo assim, foi insuficiente, comecei a perder peso muito rapidamente. 1,5 Kg na primeira semana (alguns creditam esta perda ao processo de desintoxicação). A quantidade de frutas que deveria ingerir era muito maior do que a que já estava me satisfazendo (quase empanturrando). Assim, ajustei a dieta com mais super sucos, com dose extra de muitas bananas e as castanhas (cajú e pará), bem vinda fonte de nutrientes e calorias, tudo isto a incrementar os sucos. O peso se estabilizou, e passei os 30 dias apenas com esta perda inicial.
Aqui tem o vídeo de como fazer estes super sucos:

Como Lili estava divulgando, e abrindo para comentários, em seu blog, seus objetivos e vivência na dieta, pude verificar a quantidade de desinformação, e até mesmo ignorância e preconceito que as pessoas têm sobre alimentação, assim, escrevo aqui alguns pontos fundamentais para que se possa ter um pouco mais de  lucidez sobre este assunto.
No curso de yogaterapia que ministramos, a ênfase na cura pessoal é muito grande, e uma das formas mais significativas de conseguir estes resultados é através da alimentação.
Para favorecer o processo de mudança, indicamos um vídeo sobre desafios de 30 dias, para motivar a todos a sempre se colocar em processos de transformação, vídeo que motivou a Lili em diversas de suas mudanças. (http://www.ted.com/talks/matt_cutts_try_something_new_for_30_days.html)
E na parte de alimentação, apresentamos diversas propostas que apontam para um caminho alimentar mais saudável, tais como a Restrição Calórica, Jejuns, Vegetarianismo, Veganismo, Dieta de Jejum 5-2, Dieta Gerson, Dieta do Dr. Barcellos, entre outras. Algumas objetivam a longevidade, outras para uma alimentação menos tóxica, e outras até para a cura de cânceres.
Se você quiser saber quando é a próxima turma do curso de yogaterapia, para aprofundar-se em todas estas informações, entre no site www.cienciameditativa.com

Foi a partir destes trabalhos e estudos, que Lili percebeu o poder da dieta crudívora para a desintoxicação do organismo. Depois de muito estudo, documentários e livros que apresentou-se esta dieta como uma excelente e verdadeira opção para desintoxicar o corpo.
No curso, dois livros e autores nos dão forte embasamento científico, com orientações das bases de dados nutricionais mais representativas do planeta, principalmente a Universidade de Cornell e a Universidade de Harvard. O livro “Eat to Live” do Dr. Fuhrman nos orienta para uma alimentação mais rica em nutrientes, com diversas tabelas e ranking, nos quais podemos ver quais os alimentos mais ricos e que realmente precisamos, o outro livro, “Savor”, que nosso mestre Zen, Thich Nhat Hanh, escreveu com a doutora de Harvard, Lilian Cheung, nos dá contato com uma excelente base de dados das principais pesquisas do mundo, nos trazendo várias vantagens e cuidados da dieta vegana.
Os estudos da Universidade de Cornell apresentam como nunca feito antes, a direta relação entre o consumo de proteína animal e o câncer, já os estudos da Universidade de Harvard apontam como o uso da alimentação industrializada nos traz elevada toxicidade, favorecendo a obesidade e diabetes, além do câncer.

Ao aprofundar o estudo sobre crudivorismo, Lili encontrou dados interessantes, que o Dr. Gerson na década de 40 já havia acessado em suas pesquisas, sobre o risco de alimentos cozidos a mais de 120 graus Celsius, que passa a ter excessiva presença de ACRILAMIDA, substância cancerígena. Para provar esta evidência, deixo o link do Instituto Nacional do Câncer  dos Estados Unidos, que valida toda esta linha de pesquisa:
http://www.cancer.gov/cancertopics/factsheet/Risk/acrylamide-in-food

Em minha conclusão pessoal, acredito sim que o crudivorismo é uma excelente maneira de desintoxicação e cura do corpo, penso que o fato de seguir esta dieta no frio invernal de Curitiba, aumenta a sensação de carência de alimentos quentes. Senti grande ganho de disposição, leveza, melhora em minha prática de yoga, de meditação, e no humor. Por isto, pessoalmente, penso que talvez basear a maior parte de minha alimentação em frutas, verduras e legumes, fazer bastante uso dos super sucos ricos em nutrientes como apresentei no vídeo acima, e saborear pequenas variedades de uma saborosa comida aquecida, seja uma excelente alternativa de saúde máxima, resultados efetivos e caminho do meio. (Caminho do meio sem o extremo nocivo da comida industrializada, evitando glúten, sem refinados, e sem cozimento em alta temperatura do tipo frituras, grelhados e assados)

Um argumento final, o equilíbrio de Angiogênese no corpo, para simplificar, a irrigação de vasos sanguíneos que podem alimentar câncer ou outras doenças, pode ser controlada com alimentação. Ou seja, a possibilidade de uma quimioterapia natural, esta é uma outra área de pesquisas, que valida todo o trabalho e direcionamento apresentado aqui, para saber mais sobre isto, vale a pena ver o vídeo abaixo, sobre pesquisas com resultados já conclusivos.

Esta rica experiência e vivência que tenho é credito de minha amada Lili, sem ela, não poderia e nem conseguiria aprofundar e viver estes estudos, e abrir e possibilitar o caminho de cura de outras pessoas. A ela tenho enorme gratidão, por ser minha companheira de missão de vida, e espiritualidade.

Por Irmão Vitor Caruso Jr., em 02 de Julho de 2013.

Quer receber novos textos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *