O que se conhece como leite, é uma secreção mamária, produzida na maioria das vezes pelas vacas, na intenção de alimentar seu bezerro. Em fazendas de produção de leite, os animais são inseminados de novo, em média, 60 dias após o parto. E, entre uma lactação e outra, ele fica sem dar leite por pelo menos 60 dias também. Apesar disso, não há garantia que a vaca engravide logo de cara. Mas ela geralmente começa a ciclar de novo (ovular, no vocabulário animal) de 18 a 21 dias após o parto. O número de gestações depende muito da raça e das condições de criação. Em geral, pelo menos quatro gestações ocorrem durante a vida de um fêmea. Depois é enviada para abate, para a indústria de carne.
TODO leite de vaca contém 59 hormônios ativos, vários alérgenos, gordura saturada e colesterol. A maior parte do leite de vaca contém quantidades mensuráveis de herbicidas, pesticidas, dioxinas (até 2.200 vezes o nível aceitável), até 52 antibióticos, sangue, pus, fezes, bactérias e vírus.

Normalmente o leite é pasteurizado (72°C/15 segundos e resfriamento instantâneo), porém, ao voltar à temperatura ambiente o número de bactérias no leite DOBRA a cada 20 minutos. Pasteurização?

Devido à inviabilidade da indústria de retirar as células somáticas – ou pus – do leite na entrega do seu produto final, a Contagem de Células Somáticas (CCS), um critério mundialmente utilizado por indústrias, produtores e entidades governamentais para o monitoramento de mastite em rebanhos e para a avaliação da qualidade do leite, foi definida no no valor de 400.000 cel/mL na União Européia. Ou seja, é permitida a quantidade de 400.000cel/mL de pus no leite na Europa.  No Brasil, este limite é mais do que o dobro: 1.000.000 cel/mL de pus permitido.

1 em cada 6 vacas leiteiras nos Estados Unidos sofre de mastite clínica, este nível de doença é refletido na concentração de células somáticas no suprimento de leite americano.

A indústria de laticínios dos EUA, no entanto, insiste que não há risco de segurança alimentar. Se as glândulas mamárias de nossas vacas leiteiras cultivadas em fábrica estão inflamadas e infectadas, dizem os industriais, isso não importa, porque nós pasteurizamos – o pus é cozido. Mas, assim como os pais podem não quererem alimentar seus filhos com matéria fecal na carne, mesmo que seja matéria fecal irradiada, eles podem não querer alimentar seus filhos com pus pasteurizado.

Um estudo recente realizado por dois professores de Harvard, Dr. David Ludwig e Dr. Walter Willett constatou que não há qualquer evidência científica que indique que o consumo de leite e derivados faça bem para os ossos, ajude a perder peso ou melhore a saúde. De fato, eles não só constataram que não faz bem, como o leite pode causar constipação intestinal, inchaço no corpo, gases, diarréia, alergias, eczemas e acne. Isso quer dizer que leite de vaca faz mal? Não, mas só se você for um bezerro.

A proteína lactalbumina já foi identificada como fator-chave da diabetes, sendo o motivo fundamental para NÃO se oferecer leite de vaca aos lactentes.

Daqueles 59 hormônios do leite, um é o poderoso hormônio do CRESCIMENTO chamado IGF-1 (Insulin-like Growth Factor One – Fator de Crescimento similar à Insulina). Por uma curiosidade da natureza ele é idêntico no leite das vacas e dos humanos. Considere que este hormônio serve de “combustível” para qualquer crescimento acelerado, entre eles os tumores e cânceres.

A medicina já considera que o IGF-1 é um fator-chave no crescimento rápido e na proliferação dos cânceres de seio, próstata e cólon (intestino grosso), e suspeita-se que, provavelmente, pode promover TODOS os cânceres, entre eles os de estômago.

IGF-1 é componente natural de TODO leite, pois sua função é exatamente que o recém-nascido cresça com rapidez. Nós consumidores e responsáveis pelas crianças não pensamos a esse respeito, porque não temos a mínima ideia do problema, assim como muitos pediatras e médicos.

Ao iniciar este trabalho destacou-se a grande quantidade de informação a respeito, que poderia tornar este artigo enorme, além de sua proposta de instrução inicial. Assim, para maior aprofundamento, e desdobramento na grande quantidade de evidências demonstradas, deixamos parte da farta referência bibliográfica abaixo.

De todas as referências que li, talvez a mais completa seja esta:
https://nutritionstudies.org/12-frightening-facts-milk/

Referência Bibliográfica:

https://super.abril.com.br/blog/oraculo/vaca-precisa-estar-prenha-para-dar-leite/

http://www.cnpgl.embrapa.br/sistemaproducao/book/export/html/284

http://archpedi.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=1704826

http://www.agroline.com.br/blog/saiba-mais-sobre-a-mastite-bovina-e-como-trata-la/

http://www.inmetro.gov.br/painelsetorial/palestras/legislacao-sobre-qualidade-do-leite-no-brasil-mayara-souza-pinto.pdf

http://www.milkpoint.com.br/radar-tecnico/qualidade-do-leite/o-uso-da-ccs-em-diferentes-paises-parte-1-32730n.aspx

https://www.docelimao.com.br/site/especial-kids/alimentacao/674-leite-e-um-alimento-saudavel.html

https://nutritionfacts.org/2011/09/08/how-much-pus-is-there-in-milk/

http://www.escolhaveg.com.br/o-que-voc-precisa-saber-sobre-o-leite-que

http://veggo.co/o-leite-que-voce-bebe-tem-pus-e-pode-ter-ate-sangue/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *