PSICÓLOGO RENOMADO.

Mais de 20 anos de experiência. Profissional com formação internacional. A primeira consulta sem custo. Você merece a melhor ajuda. Comece a resolver agora!

 

Entrevista com Cientista sobre Meditação na Revista Época


Entrevista com Richard Davidson, autor da pesquisa sobre meditação com monges. Amigo pessoal do Dalai Lama, o professor da Universidade de Wisconsin-Madison falou a ÉPOCA.

ÉPOCA – Qual é a principal conclusão de sua pesquisa?
Richard Davidson –
Por meio da meditação, podemos intensificar os circuitos cerebrais responsáveis por regular as emoções e a atenção. O mais impressionante é que o tempo de treinamento, o número de horas praticadas ao longo da vida, influencia a magnitude da reação.
ÉPOCA – Todos os tipos de meditação surtem o mesmo efeito no cérebro?
Davidson –
As diferentes técnicas provavelmente produzem diferentes alterações, isso precisa ser estudado.

ÉPOCA – A longo prazo, a meditação pode melhorar o funcionamento das sinapses nervosas? Como isso se reflete na saúde?
Davidson –
Praticar meditação por longos períodos parece interferir tanto na conectividade e na funcionalidade do cérebro como em sua estrutura. Os circuitos alterados, ao que tudo indica, têm um impacto geral no funcionamento cerebral que beneficia a saúde. Nossa pesquisa sugere que a resposta à vacina de gripe melhora com a meditação.

ÉPOCA – Que tipo de doenças a meditação pode curar?
Davidson –
Eu não diria que a meditação cura. A pesquisa mostra que sua prática pode ser um complemento útil para outros tipos de tratamento. Há boas evidências de que a meditação pode prevenir a reincidência de crises depressivas.

ÉPOCA – Psicoterapeutas usam há anos a meditação como relaxamento. Qual a novidade?
Davidson –
Não há nada de misterioso a respeito da meditação. O que muda é que a maioria das pessoas não pratica o exercício cerebral tão regularmente quanto pratica os exercícios físicos. As pessoas abandonam qualquer exercício mental depois que se consideram curadas. É importante persistir na prática.

Quer receber novos textos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.