Texto de 09/06/2004.

Com a chegada do inverno aumenta a incidência de problemas respiratórios, e também as manifestações de gripes e resfriados.
Quando isto acontece, alguns alunos de nossos centros de práticas nos ligam, e dizem, não vou poder ir a aula de yoga hoje, estou super gripado.
Causa estranheza quando insistimos, dizendo, mas este é mais um bom motivo para você vir a prática.
Portanto, para tranquilizar tal estranheza é que apresentamos algumas explicações.
Os principais sintomas que observamos são as obstruções das vias respiratórias, e indisposição física, às vezes acompanhado de dores no corpo.
Neste caso, a prática deve começar sempre com os respiratórios, pois as obstruções acabam por bloquear o fluxo energético dos canais sutis (fluxo de prana), o que é o principal causador da indisposição. Reduzir estes bloqueios é um ponto fundamental no processo de recuperação, pois desta forma, o corpo re-estabelece sua harmonia e equilíbrio, permitindo que todo o organismo, principalmente o sistema imunológico trabalhe melhor.
O próprio nome dado aos exercícios respiratórios é pranayama, que na verdade significa, controle da energia vital, aqui vão algumas sugestões, que devem ser seguidas acompanhadas por um bom professor de yoga:
Inicie com Kapalabhati (expirar intensamente pelas narinas, todo o ar, de uma única vez), use um lenço, não faz mal se não desobstruir as duas narinas plenamente, o importante é estar tentando desobstruir.
Depois Sukha-Purvhak (ou Nadí Shodhana), que é a respiração alternada ou polarizada, na tentativa de iniciar a harmonização entre os canais sutis de energia.
Em seguida, faça kapalabhati alternando a narina como em Sukha-Purvhak, pois isto irá acelerar a desobstrução das narinas.
Agora, exercite Bhastrika (expirar e inspirar rapidamente pelas narinas), o que irá ajudar a dilatar as vias respiratórias, e estimular o fluxo de energia dos canais sutis.
Em seguida, faça Bhastrika, alternado como em Sukha-Purvhak, este é o exercício mais intenso, execute apenas se as narinas já estiverem desobstruídos, caso contrário, é melhor pular este último exercício.
Por último, faça a respiração completa (Raja Pranayama), percebendo o funcionamento do abdômen, costelas e região alta do tórax.
Bem, uma vez encerrado os pranayamas, é a hora e executar alguns ásanas.
Dê preferência aos ásanas de alongamento, nestas situações, os ásanas de força não são os mais indicados, já que é precisa preservar a energia para a recuperação do estado gripal.
Aqui vão algumas indicações:
Bhujangásana (Cobra), Matsyásana (Peixe), Matsyendrásana (Torção), Halásana (Arado), Padahasthásana (Cegonha), Paschimotanásana (Pinça), Sarvangásana (Ombros), Balásana (Criança) e Yoga-Mudra.
Ao final, faça bem feito o Yoga Nidra, e algums minutos de meditação, com foco na sua respiração.
Depois, é fundamental descansar, pois o estímulo energético da prática, irá ser canalizado para o seu processo de cura, acelerando o término dos sintomas, e trazendo você de volta para um estado de saúde e harmonia.

Quer receber novos textos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *