Podemos ser surpreendidos por notícias de familiares, ou pessoas queridas, que acabam por adoecer repentinamente. Temos às vezes um raciocínio infantil, de que pessoas boas não adoecem. Mas esta é uma forma parcial de entender a saúde, e a manifestação plena da vida em nós.
Quem deixa-se levar por emoções ruins, já está doente, e esta doença pode ou não aumentar de grau.
Pessoas boas, apesar de serem boas, podem ser levadas por emoções que lhes perturbem.
Quantas mães de jovens drogados, sofrem, esforçam-se em gestos de abnegação, auxiliam outros familiares, mas sucumbem doentes, incapazes da cura do filho. Apenas um exemplo, de que a bondade em si, não nos livra de emoções e situações perturbadoras.

Conheço padres, pastores, professores de yoga, assistentes sociais que tem seu trabalho em pacificar o próximo, mas acabam sendo arrasados por uma avalanche de atividades, difíceis situações, e mais difíceis emoções, que levam embora a tranquilidade de seu coração, e consequentemente, sua saúde.
Preservar o coração, a tranquilidade do seu coração é um desafio constante.
Aprendi da maneira mais dura, curando um câncer, a importância deste preservar e tranqüilizar.
É desta forma que poderemos deixar que o corpo físico tenha a estabilidade para seus auto-ajustes, descansos, repousos, e sobretudo, desfrute das alegrias, maravilhas e milagres da vida.
A Sabedoria da Vida permite que o corpo encontre forças de recuperação nas mais diversas situações difíceis, como um animal ferido na floresta, ou um cachorrinho que busca o descanso, só repouso, às vezes sem comer, para que a capacidade de cura se concentre na restauração.
Pensemos nisto! Permitamos que a Sabedoria da Vida sempre se faça presente em nosso cotidiano. É a essência do trabalho de Yogaterapia, esta busca pelos poderes de cura dormentes na própria vida, como aconteceu comigo, com o Prof. Hermógenes e tantas outras pessoas que seguem esta busca. Momentos de repouso, descanso, meditação, alegria, desfrute, contemplação devem ser parte do cotidiano, da prática diária, para que a felicidade nos seja familiar, para que quando ela aconteça, não a esqueçamos de reconhecer.
Meu Mestre Zen, Thích Nhat Hạnh não cansa de afirmar que o Reino de Deus, a Terra Pura do Buda, estão sempre disponíveis a nós, precisamos apenas reconhecer. Seu centro de meditação, Plum Village, na França, também é considerado um centro de cura.

Por Irmão Vitor Caruso Jr. em Março de 2013

Minha filha María Mariana brincando em Plum Village, junto a um dos monges da tradição de Thích Nhat Hạnh

Postado com o BlogsyPostado com o Blogsy
Quer receber novos textos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *